Árvores de fruto

As ameixas estão assim:

Ameixieira

Ameixieira

As peras:

Pereira

Pereira

E as maçãs:

Macieira

Macieira

Será que já está na altura de fazer a monda de frutos nesta macieira?

Ronda pela horta

Ontem foi altura de ajustar algumas coisas na rega e verificar o estado geral da horta.

Verifiquei que com as chuvas que caíram ultimamente alguns melões, melancias e  meloas já eram.

Os rabanetes estão a crescer bem…

Linha de rabanetes

Linha de rabanetes

As couves e as alfaces estão a crescer bem, sem problemas…

Couve e alface I

Couve e alface I

Couve e alface II

Couve e alface II

… mas ervilhas nasceram muito poucas…

Ervilhas

Ervilhas

… e dos feijões nem sinal (não faço ideia do que se passou)!!!

Consociações de plantas

No site da Horta da Formiga, existem diversas informações, cursos, material para download sobre compostagem, agricultura biológica e nutrição. Vale a pena visitar!

Na minha última ida a esse site encontrei um ficheiro que é bastante útil quando estamos a planear a nossa horta biológica – a consociação de plantas. Este é um conceito, a par com a rotação, fundamental para o sucesso deste tipo de agricultura.

Na minha horta ainda faltam algumas consociações, nomeadamente com ervas aromáticas e flores como o cravo túnico ou das Índias e as chagas. As consociações das hortícolas tentei fazer direitinho…

consociacoes

Ministério da Agricultura

As minhas bíblias…

São estas as minhas referências no dia-a-dia agrícola.

Guia de agricultura biológica

Guia de agricultura biológica

Tem sido um precioso auxiliar, com consultas regulares obrigatórias.

Aborda temas genéricos como a organização da horta, os utensílios a utilizar, a fertilização, a compostagem, os adubos e correctivos, a sideração, a cobertura do solo, as infestantes, os tratamentos e protecção.

Depois fala mais concretamente das culturas hortícolas (rotação, associações, sementeira, plantação, rega) e tem fichas para cada hortícola bastante pormenorizadas, com ilustração e organizadas por ordem alfabética.

Termina com um capítulo dedicado às culturas frutícolas – plantação, manutenção, poda e propagação.

O ilustre Borda D´Água

O ilustre Borda D´Água

Este avôzinho que já conta com 80 anos, continua a revelar-se uma fonte de sabedoria, com os trabalhos que devem ser executados todos os meses, baseando-se sobretudo na Lua e nas suas diferentes fases.

agri-biodinamica2009

A minha descoberta mais recente… Baseia-se nos astros e não só na Lua como o parceiro anterior. Muito interessante, com calendarização mensal de plantações e sementeiras, bem como os trabalhos a realizar. Outra diferença primordial é o facto de haver dias e horas próprios para cada cultura, que se enquadram em 4 grupos principais: raiz, folha, flor e fruto. Mais informações serão dadas no separador próprio.

Rega gota-a-gota

Levei uma semana a fazê-la, ainda precisa de alguns pequenos ajustes, mas está feito o sistema de rega gota-a-gota da minha horta. Digamos que não é propriamente fácil para alguém sem experiência planear e executar uma tarefa destas.

Deixo algumas fotografias.

dsc00042

Intercalei gota-a-gota com aspersores, de acordo com as culturas

Uma vista mais abrangente do sistema de rega

Uma vista mais abrangente do sistema de rega

Mais outra perspectiva

Mais outra perspectiva

A secção das courgettes, melões, meloas, melancias e abóboras

A secção das courgettes, melões, meloas, melancias e abóboras

O investimento total rondou os 150€, com material quase todo comprado na Agriloja . Não se pode dizer que foi propriamente barato, mas poupa-se muito em água e tempo (coisa que não me tem sobrado muito nos últimos tempos).

Compostagem doméstica

O meu compostor

O meu compostor

Este é o compostor que me foi fornecido pela Valorlis na acção de sensibilização sobre compostagem doméstica.

Aconselho uma visita ao sítio desta empresa em www.valorlis.pt No separador da compostagem doméstica encontram-se algumas informações e um guia para utilização do compostor. Qualquer pessoa pode ter um, basta assistir a uma acção de sensibilização e no fim levar o seu para casa, tal como eu fiz.

De seguida estão 3 guias de compostagem doméstica: o primeiro retirado do sítio da Valorlis e os outros dois da Câmara Municipal do Seixal.

compostagem_domestica

caderno_compostagem_escolas_cmseixal

guia_compostagem_cmseixal

Boas vindas!

Este é o primeiro de muitos post’s (espero eu) neste blogue.

É meu objectivo ir relatando as minhas experiências na minha pequena horta, tendo por base princípios da agricultura biológica combinada com a agricultura biodinâmica.

Iniciei esta experiência há algum tempo atrás, quando me mudei de um apartamento para uma vivenda que tem um pequeno terreno anexo ao qual, em determinada altura, resolvemos dar algum uso. Foi interessante este processo de descoberta de uma nova realidade para a qual, até ao momento, não estava minimamente desperto.

Com o passar do tempo fui aprendendo e aperfeiçoando técnicas, fazendo diversas experiências e sobretudo sempre com a intenção de respeito pelo meio ambiente e pela biodiversidade. Por essa razão, sempre que possível tentei adoptar os princípios da agricultura biológica porque não consigo conceber outra forma de executar este trabalho, visto que está provado por todas as razões e mais alguma que necessitamos voltar a trabalhar a terra de uma forma harmonizadora e não agredindo a Natureza.

Os meus conhecimentos iniciais eram muito poucos, mas como tinha uma grande vontade de aprender adquiri um livro que foi a minha preciosa bíblia nesses tempos. Não será exagero se disser o quão caricato era ir para a horta de livro na mão e andar a consultar as fichas de cada planta, quando era chegado o tempo de plantação. Por certo seria motivo de chacota de qualquer agricultor calejado, não fosse este meu pequeno cantinho estar bem resguardado de invasões ou olhares indiscretos.

Depois disso assisti a uma acção de sensibilização pela Valorlis, sobre compostagem doméstica e obtive então, gratuitamente 🙂 , um compostor, que se revela essencial numa horta biológica. Posteriormente, frequentei o curso de Agricultura Biológica na mesma empresa, que era aquilo de que necessitava para o tal arranque mais sério. Tive a sorte de ter uma óptima formadora, que não se poupou a esforços para que valesse mesmo a pena ter frequentado o curso.

Mais recentemente comecei a adoptar alguns princípios da agricultura biodinâmica, apenas no que diz respeito ao calendário. Este foi um conceito vagamente abordado no curso mas como achei interessante e consegui encontrar o calendário de 2009, comecei a respeitá-lo para ver se as coisas deixam de ter um carácter tão experimental mas mais fundamentado em práticas provadas com sucesso ao longo dos anos. Tentarei dar mais informações sobre este conceito no separador que criei para o efeito.

Bem, já vai longo o discurso para um primeiro post, pelo que só me resta agradecer aos meus “auxiliares” (mulher e filho) por toda a ajuda e apoio que me têm dado, tanto em mão-de-obra como em libertarem-me de outras tarefas para me dedicar mais a sério a isto. A minha filha, lá terá a enxadinha à sua espera quando chegar o tempo…lol.

Apareçam, comentem (bem ou mal) para que este trabalho realmente valha a pena.

Abraço a todos